DESIGNLAB

Design, Tipografia e Multimédia.

Archive for January, 2011

Provas Públicas de Projectos Editoriais

Mapa das Provas Públicas dos Mestrandos da 1.ª Edição do MDGPE

A semana passada recebi do Prof. Eduardo Aires um email com o mapa das provas públicas da primeira edição do Mestrado de Design Gráfico e Projectos Editoriais da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Por afinidade com os professores, colegas e amigos envolvidos neste projecto, confesso que estou muito curioso para assisstir aos primeiros¹ resultados.

Vou lá dar um salto ainda Hoje à tarde dei lá um salto para assistir às provas da Joana Sobral. Orientada pelo Prof. Aires e pelo Prof. Mário Moura a prova tem teve como arguente o João Fernandes. Nada mais, nada menos do que o director do Museu de Serralves—é neste tipo de detalhes que acho que a direcção do mestrado se está a portar muito bem—as relações com a sociedade e especialistas da área estão a ser bem exploradas. Ainda não sei se João Fernandes tem experiência neste tipo de provas, nem sequer sei se é doutorado (um requisito normal para a arguição de provas, mas que pode ser contornado), por isso estou expectante para ver a mas isto não o impediu de fazer um brilharete na arguição.

Depois da exposição mais ou menos cuidada de Joana², João Fernandes levantou montes de questões sobre a própria história e conceito do que é um livro de artista. A intervenção foi pouco ou nada interactiva com a candidata, que de uma forma ou de outra acabou por responder. Mas, definitivamente, quem me impressionou pela capacidade de articulação com várias actividades de criação e conhecimento técnico, bibliográfico e histórico sobre os livros de artista foi o Director do Museu de Serralves. Por um lado pode ser mais “pés assentes na terra”, mas por outro… Valeu a pena. Acho que este Domingo vou voltar a Serralves só para ver se eles ainda têm lá parte da colecção de livros na Biblioteca!… Valeu a pena.

De qualquer forma, se tudo correr como previsto, ainda lá passo novamente na próxima quarta-feira para ver as provas da Ana Luísa Candeias. Mais uma vez orientada pelo Prof. Eduardo Aires, mas desta vez co-orientada pelo Prof. António Modesto. Como já aqui disse, qualquer oportunidade de ouvir o Prof. Modesto falar é um privilégio. A arguição fica à responsabilidade do meu colega do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, o Prof. Francisco Providência. Já tenho tido oportunidades de o ouvir falar, e mesmo conversar com ele. Por isso, estou à espera de uma arguição bem carregada, e espero que a Ana Luísa “dê luta”, porque este é o tipo de prova que se pode tornar muito interessante para a assistência—recomendo!

1. Como alguns sabem, co-orientei o trabalho prático (desenvolvimento de uma fonte Open Type) e a dissertação do Diego Henrique, que, para além de o ter apresentado na última ATypI em Dublin, já completou as provas no passado dia 20 de Outubro de 2010.

2. Conheço ainda muito pouco sobre estes objectos de criação artística, sendo a Johanna Drucker minha única referência na área. Como não li a dissertação, nem vi o objecto final, fiquei só com as impressões recolhidas durante a apresentação… Achei que a apresentação da contextualização durante a prova foi superficial, concentrando-se demasiado a partir da década de 1960—aspectos realçados por João Fernandes. Também se alongou na explicação da criação de um objecto pessoal, sem perceber muito bem porque o fez… Mas é provável que eu não tenha prestado atenção suficiente, o meu índice de atenção anda por baixo… As imagens, apesar de pequenas, pareciam muito interessantes. Quando estiver de novo online, tento pesquisar a dissertação na Biblioteca da FBAUP. No fim do dia, pareceu-me interessante—vou querer ler mais um pouco!

Links do dia: 7 Milhões

7 Milhões por National Geographic

Como se não bastasse andar de comboio (muitas vezes cheio), este vídeo da National Geographic relembrou-me de forma deprimente quão complexo pode ser o mundo… Acho que nunca estamos preparados para ver estes números, mesmo depois de ler o “You Are Here” de Christopher Potter. Uma infografia animada excelente! Via ILT.

Pormenor da página do Guardian Online

Branding sobre Branding, ou Naomi Klein, sobre Naomi Klein? De qualquer forma é sempre uma leitura muito perspicaz sobre os meandros retorcidos da sociedade actual: http://www.guardian.co.uk/books/2010/jan/16/naomi-klein-branding-obama-america/print. Via email da Catarina C.

Documentário sobre o Arduino no Vimeo

Mudando da sociedade para a tecnologia, aqui vai um documentário sobre o desenvolvimento do Arduino. Nasceu de um projecto académico individual (Wiring) e já mereceu o reconhecimento mundial dos criadores e artistas de variadas áreas. Ainda não acabei de o ver, mas fiquei agarrado aos primeiros 5 minutos! Já está no iPhone, e, na altura em que este post sair, já devo ter acabado de o ver. Merece ser visto, especialmente pelos artistas digitais e programadores ;) Realmente inspirador. Via @mbanzi.

Optical Margin Alignment no InDesign

Por fim, como alinhar opticamente a pontuação no InDesign—este não é tanto um link como uma referência, e quase que merece um post por si só…

Na última Computer Arts (nº 183), vem uma pequena peça sobre tipografia com InDesign escrita por Jo Gulliver (p. 68), que quase descartei—normalmente estas peças são bastante superficiais e passo-as à frente com um grunhido de superioridade e desdém… Desta vez, li superficialmente e quase que me passei quando vi explicado uma técnica de “pendurar” opticamente a pontuação fora das margens das colunas.

Apesar de saber que estava por lá, nunca mais a usei desde o tempo em que larguei o Freehand—a famosa opção de “Hanging Puctuation”. Pois bem, a verdade é que já me tem feito falta, mas a pressa e a pressão de ter as coisas prontas a tempo acaba sempre por se sobrepor… não é tão simples como no Freehand, mas temos maior controlo no InDesign (err… duh!?). Basta navegar até ao painel Type & Tables > Story. Depois, com o texto, ou a frame seleccionada, activar a opção Optical Margin Alignment e configurar a compensação relativa ao corpo que queremos utilizar—o que é óptimo para quando queremos fazer destaques ou citações com aquelas “modinhas” de inserir aspas gigantes. De qualquer forma, é rápido, fácil e mais poderoso do que no Freehand!

Web Stencil Kit

UI Stencils, Web Stencil Kit

Há uns dias escrevi sobre a prenda perfeita para um tipófilo. Pois bem, aqui fica a prenda (geek) perfeita para um webdesigner. Definitivamente, quero um destes: http://www.uistencils.com/products/website-stencil-kit

(visto na última Computer Arts Projects, nº 144)

Arte e Artistas Digitais

Se tivesse que escolher um livro para falar sobre Arte Digital, actualmente escolhia este: Digital Art de Wolf Lieser. Este pequeno grande livro abarca quase todos, ou diria mesmo todos os artistas digitais importantes desde a década de 1960 até aos dias de hoje.

Read the rest of this entry »

Comandos visíveis no Blender

Blender com o script Screencast Key Status Tool activado

Há uns tempos atrás, deixei a pergunta “como ligar a visibilidade dos comandos de teclas” num dos vídeos do Andrew Price. Vi que esta era uma prática que ele começou a usar há pouco tempo nos seus tutorias, e que já tinha procurado antes. Hoje, ao fazer mais uma pesquisa rápida online descobri o post do BlenderArtists onde podemos descarregar o script para a versão 2.55: Read the rest of this entry »

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam aqui um breve resumo da saúde do Designlab:

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau!

Este post foi gerado automaticamente pelos “duendes” do WordPress. Editei ligeiramente o texto para ficar um pouco mais parecido com o que tenho vindo a escrever. No fundo, é uma auto-promoção desenvergonhada… Mesmo assim, achei que era interessante partilhar. Voltando ao resumo: Read the rest of this entry »

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 129 other followers

%d bloggers like this: