Andy Altman @ Personal Views, ESAD

Andy Altman dos Why Not Associates esteve ontem (Sexta-feira, 07 de Março) no Auditório da ESAD para partilhar connosco as suas Personal Views sobre [o] Desgin [Gráfico]. Falou sobre a passagem da Universidade para o mercado de trabalho, a evolução dos clientes que tiveram,diferentes trabalhos em diferentes meios, focando o trabalho ambiental, mas não descuraram o trabalho gráfico/editorial comum. Altman provou ser um orador exímio, falando com grande “à vontade”. Foi 1:30 de grande qualidade.

Foi muito gratificante reconhecer mais de uma dúzia de alunos das Belas Artes na plateia [pergunto-me se estara alguém de Aveiro?]. Espero que sirva de exemplo para os restantes alunos e que estes que lá estiveram passem finalmente a mensagem. Estas são, definitivamente, oportunidades únicas a não perder!


Um dos temas iniciais, foi como nos tempos de estudante na Royal College (e logo a seguir quando lhe foi encomendada a produção de um livro sobre Design) era difícil encontrar livros especificamente sobre Design Gráfico nas livrarias de Londres. Agora, graças à percepção $$$ (inserir barulho de caixa registadora aqui) das editoras, é difícil contornar esta secção nas mesmas livrarias…

“Strugling to produce personal work”

Este é o dilema de muitos de nós, enquanto estudantes, profissionais e hobyistas… como conciliar os nossos interesses pessoais e o trabalho que realmente nos motiva ou nos faz quebrar os nossos próprios limites com o trabalho académico, ou mesmo o trabalho comercial? Há muito que Andy resolve isso com a concepção de Notebooks, pequenos cadernos de esquiços onde realiza (realizava? pois não mostrou referências recentes, queixando-se do mesmo) composições e desenhos, recompondo constantemente, aproveitando e reaproveitando o material exterior encontrado e o material que ele próprio produz.

Falou da colaboração com Jonathan Barnbrook na produção de um catálogo, nomeadamente da aplicação de um gótico moderno num catálogo de moda interior por encomenda.

Mostrou a produção da campanha da Smirnoff. É curioso como os trabalhos que vemos em revistas que parecem ser altamente construidos e tratados com Photoshop são de uma simplicidade e improviso fantástico. Seguindo o mote do trabalho anterior onde descreveu que ele e os amigos se encontram com Jesus (piadinhas aqui sobre como é bom trabalhar com Jesus ao nosso lado, que é um amigo pessoal) no estúdio de fotografia dele depois de uma noite de copos e, com uma ressaca valente, experimentam com luzes e papeis para fotografar um enorme 5. Já no trabalho da Smirnoff a ideia foi a mesma. Quando estávamos à espera de ver um grande trabalho de pós-produção, Andy limitou-se a fazer pequenas maquetes de letras contruídas e pedir a Jesus para fotografar…

Em termos de abordagem, é semelhante ao que Andrew Howard (?) fez com o trabalho da Floresta Gráfica (exposição do Silo no Norte-shoping) onde, pelo menos para mim, é inconcebível o trabalho de construir as maquetes das letras face ao que o desenho 3D permite. é claro que o resultado, tanto num caso como noutro é excelente, mas… acho que cada um deve trabalhar como trabalha melhor, certo?

Apresenta os selos que foram convidados a desenvolver no aniversário 40 anos da Rainha (mais piadinhas aqui sobre quem é a rainha de Inglaterra…) onde descreve o Briefing do Cliente… um pequeno esquiço que mostre o percurso da rainha. O cliente expressa o receio do resultado e pede-lhes alguma contenção… o resultado final foi algo decepcionante face à linguagem deles. Estive mesmo a comentar com Marta M. o facto de terem sido ou não muito contidos. Se o mesmo se passasse na Holanda, será que eles teriam tido uma abordagem mais experimental? Nesse aspecto, até acredito que por mais arrojados que fossem, iam sempre ficar aquém da tolerância holandesa…;)

A relação com Rick Poynor na produção de um livro sobre Design Tipográfico – Typography Now – encomenda da Editora. A liberdade (factor de produção completamente invertido) que tiveram para definir como queriam ter os textos produzidos, levou-os à requerer de Poynor os textos em “layers” de informação de modo a que o conseguissem compor de forma pretendida, sem quaisquer limites. Poynor que inicialmente odiou a ideia, envolveu-se de forma surpreendente. Foi uma surpresa e um elogio quando registaram que Rick comparavao trabalho gráfico deles ao de Ed Fella.

A importância das “cenas” no dia-a-dia: “Andy’s shite” Todas as tralhas que coleccionamos são muito especiais para nós. De uma forma estruturada Andy explica que prefere ter uma ratoeira “vintage” a ter um bom livro de design. Isto porque todos estes coleccionáveis (se é que assim podemos denominar a tralha) são fonte de inspiração muito especial. Andy tem centenas de álbuns fotográficos com imagens e tralhas coleccionáveis que usa como fonte de inspiração. Passa os dias a compra-los no e-bay…

“Design is all about making decisions”

Apresenta os trabalhos mais recentes da Nike – Heroes. O projecto dos 300 metros de passeio de Malcom, UK.
Este dois últimos uni-os aqui porque creio que Andy se refere a uma coisa em comum – a capacidade de reconhecer as boas ideias e de produzir um projecto (que muitas vezes não nos é familiar). Isto é, já é surpreendente que os responsáveis urbanísticos encomendem a um Designer ou empresa de Design de comunicação a animação do espaço da cidade. Confesso que isto denota uma atitude muito mais madura e ponderada da sociedade no que toca ao reconhecimento das actividade profissionais.

[Se fosse cá em Portugal, é certo sabido que seria encomendado a um Engenheiro (quanto muito a um arquitecto… e aí já não era mau…). Pior ainda seria em Gondomar ou em Felgueiras, onde seria o sobrinho do Major, ou a prima Presidente a fazer um rabisco (qualquer um deles com idades compreendidas entre os 3 e o 7 anos de idade) que depois era feito e inaugurado com grande pompa e circunstância…]

[agora que estou a editar este post, questiono-me de quem será a culpa… se dos clientes que realmente não percebem a nossa profissão, se dos eternos queixosos designers tugas, sempre a queixarem-se da falta de educação do cliente, e a pouco fazerem apra mudar a situação… o que será que acontece se começarmos a adoptar a técnica do cliente – menosprezar o trabalho deles?]

Enfim… o próprio Andy só lamenta que o feito que demorou 5 anos (o passeio de Malcom) fique no meio de um parque de estacionamento, entre um McDonalds e um Blockbuster. Mas recomenda que nos envolvamos activamente em todas as fazes de produção – desde a produção gráfica, a passar pelo stencil em metal ao assentamento e corte do betão e granito. É uma forma de crescermos e diversificarmos. Iremos aprender muito.

Acima de tudo o que mais me surpreende é a capacidade de Altman lidar com as diversas áreas e ser um produtor nato. Tipografia de Betão para museus? Passeios marítimos com poemas a granito, aço e betão? Filmes promocionais (curtas) de 10 minutos? Livros? Cartazes? Realmente o vasto trabalho dos Why Not Associates é de admirar não só pela qualidade, mas pela consistência e capacidade de organização e produção, catalisadores de sinergias.

Trabalhos mostrados:
http://www.whynotassociates.com/en/bbc_football/bbc_football.php
http://www.whynotassociates.com/en/nike_paris/nike_paris.php
http://www.whynotassociates.com/en/blackpool/blackpool.php

Identidade:
http://www.whynotassociates.com/en/tate_pierre/tate.php
http://www.whynotassociates.com/en/royal_academy/raa.php
http://www.whynotassociates.com/en/royal_mail/royal_mail.php

Livros:
http://www.whynotassociates.com/en/soccer_wonderland/soccer.php
http://www.whynotassociates.com/en/making_angel/angel.php

http://www.whynotassociates.com/en/typo_now/typo.php
http://www.whynotassociates.com/en/for_every_minute/for_every_minute.php
http://www.whynotassociates.com/en/wn2/wn2.php

Motion:
http://www.whynotassociates.com/en/nike_heroes/nike_heroes.php
http://www.whynotassociates.com/en/first_direct/first_direct.php

Ambiental:
http://www.whynotassociates.com/en/pobl/pobl.php
http://www.whynotassociates.com/en/flock/flock.php

http://www.whynotassociates.com/en/cursing/cursing.php
http://www.whynotassociates.com/en/kobe/synapse.php
http://www.whynotassociates.com/en/nike_shox/nike_shox1.php
http://www.whynotassociates.com/en/barca/barca.php

Author: Pedro Amado

Professor Auxiliar na Universidade de Aveiro a leccionar Design de Interação

1 thought on “Andy Altman @ Personal Views, ESAD”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s