Autopromoção

Esta semana Hoje vou Fui dar uma aula aberta sobre o desenvolvimento de fontes no IPCA no âmbito das conferências “À conversa com…”

Levei um conjunto de slides de apresentação e uma demonstração do uso do Fontforge. Os ficheiros podem ser descarregados deste post.

Pelas sessões do IPCA já passaram o Gabinete de Divulgação e Imagem da Fundação de Serralves (Daniel B., Isalinda P. e João S.), Nuno Coelho, Nuno Martins, Gabinete de Comunicação da Casa da Música entre outros.

Irei falar sobre o estado e influência das comunidades on-line, o projecto Typeforge (até agora e pequenas pistas para o futuro) bem como irei demonstrar como desenhar e implementar uma fonte digital em Open Source. Assim que possível publicarei neste blog a palestra Aqui estão os slides e as notas para a sessão.

Apareçam! (lá porque publiquei os slides e as notas…)

Cartaz “À conversa com Pedro Amado”

Slides da Sessão

Transcrição da apresentação

Transcrição das notas sobre a utilização do Fontforge

Algumas imagens da audiência:

P.S.: Se tiverem fotografias da sessão (alguns de vocês estavam com máquinas), enviem-me, ou postem o link onde posso consultar em comentário. Obrigado!

Obrigado ao “macorigami” por ter colocado as fotos no Flickr

Author: Pedro Amado

Professor Auxiliar na Universidade de Aveiro a leccionar Design de Interação

4 thoughts on “Autopromoção”

  1. Osiris:

    Boa pergunta. Neste caso usei especificamente o termo fonte para me referir à implementação em software de um desenho tipográfico, vulgo tipo, em formato digital. Expressão que abreviei para fonte por facilidade e reconhecimento, embora me vá limitar a desenhar apenas alguns caracteres de demonstração…

    Não tanto um tipo de letra, vulgo família tipográfica, porque isso sim era complicado e teria que falar sobre características do desenho, anatomia, calssificação, taxonomia, história que já fazem parte da matéria da disciplina dos alunos…

    Desenho de Tipos e implementação de Fontes são duas disciplinas complementares, mas que nem sempre se juntam na mesma pessoa ou estúdio. Por exemplo, o (grande) Mathew Carter, talvez o maior Type Designer vivo, vê algumas das suas fontes implementadas pela DTL, Adobe ou ainda, no caso das infames Georgia e Verdana, pela Microsoft. Não que este grande mestre não o faça (porque o fez durante muitos anos) mas porque se concentra no desenho, no Design.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s