Typeforge @ Print (Autopromoção)


(Revista Print, Agosto 2008)

Desculpem, mas aqui vai mais um belo momento de autopromoção. Há umas semanas atrás fui abordado (por e-mail) pelo James Gaddy, um dos autores da revista Print – http://printmag.com/. Começava mais ou menos assim: “Estamos a fazer um artigo curto sobre o crescente movimento de “fontes livres” e o teu projecto Typeforge é mencionado.”

Resumindo, pediu-me informações e imagens (em alta resolução) das que estão publicadas no site (para quem ainda não conhece – http://www.typeforge.net). Nunca mais soube de nada até que recebi um telefonema do Mário M. a dizer-me que tinha sido mencionado na Print deste mês (imagem abaixo).

(Artigo na Print, por Jesse Ashlock, p. 16)

Uau! Afinal compensa investir nas nossas convicções. Foi apenas uma artigo curto, mas pessoalmente, a satisfação foi imensa. Ellen Lupton, George Williams e Pedro Amado (?) Não sei como é que esta escala foi construída, mas de repente sinto o peso da responsabilidade a cair-me nos ombros… ufa! Ah, imagem do artigo é uma das minhas ilustrações on-line…

Obrigado a todos o que me apoiaram durante este tempo todo. Este artigo também é vosso! Fica aqui a promessa de uma versão revista e actualizada do site para breve!

Author: Pedro Amado

Professor Auxiliar na Universidade de Aveiro a leccionar Design de Interação

7 thoughts on “Typeforge @ Print (Autopromoção)”

  1. Muitos parabéns pelo artigo.
    Não conheço o George Williams, mas sem dúvida que o facto estares num artigo destes juntamente com a Ellen Lupton é motivo de grande alegria.
    Continua o bom trabalho!

  2. Osiris:

    Não é bem assim. Se não estou em erro já tentei uma explicação sobre a diferença entre Tipo e Fonte em resposta a um comentário num post anterior. Uma breve pesquisa pelos termos no Google devolve resultados bastante esclarecedores, mas aqui vai novamente:

    Tipo, ou Tipo de Letra (do inglês Typeface): Desenho ou design de um alfabeto. O desenho, identidade e características visuais (ou pormenores técnicos) que definem o conjunto das letras, numerais e caracteres usados nas diversas línguas, vulgo glifos (do inglês glyphs).

    Fonte (do inglês Font): Implementação do desenho e características técnicas e visuais do tipo de letra em software. Tradicionalmente (e só para confundir) uma fonte era a implementação de um tipo num determinado tamanho. Isto é, depois de criar e desenhar um tipo de letra (no papel) criava-se uma fonte (em chumbo) ao molda-la num determinado tamanho, por exemplo 8pt. Assim, constituía-se a família nas diversas “caixas” ao molda-las nos mais variados tamanhos e atributos desejados para usar na [máquina de] impressão. Por exemplo, uma família (conjunto de fontes que partilham os mesmos atributos) em Garamond, podia ser Minúsculas + Maiúsculas + Itálicos + Grego em 8, 10, 14pts, etc…
    Hoje, não é assim tão simples. No entanto, para tornar a explicação mais curta, chamamos de fonte ao ficheiro digital que instalamos e usamos na aplicação que usamos para criar composições [tipo] gráficas no nosso computador.

    Para finalizar a explicação, à luz da tecnologia digital, temos o tipo (design), a fonte (ficheiro de aplicação digital) e a família (o conjunto).

    Tipo, ou tipo de letra: Garamond (Garalde);
    Fonte: Adobe Garamond Premier Pro;
    Família: Adobe Garamond Premier Pro Regular, Italic, Medium, Medium Italic, Semibold, Semibold Italic, Bold, Bold Italic.

    Usando e abusando do OpenType ou do velhinho MultipleMaster, podemos ter [super] famílias de tipos que ascendem facilmente às 150 fontes diferentes, como a Thesis de Lucas de Groot

    Creio que tenho usado com algum cuidado os dois termos – fonte e tipo (ou tipo de letra) – embora estes posts e comentários fora de horas cobrem sempre um pouco à clareza do português… De qualquer forma, o termo “fontes livres” foi tradução directa da expressão usada por Gaddy – “free fonts” que remete exactamente para o mesmo sentido que tento esclarecer aqui.

  3. Alguns dos links mencionados na pesquisa no Google são estes (por ordem de preferência):

    http://www.aiga.org/content.cfm/theyre-not-fonts
    http://www.typophile.com/node/14701
    http://www.will-harris.com/font_vs_typeface.html
    http://en.wikipedia.org/wiki/Typeface
    http://www.webopedia.com/quick_ref/fonts.asp

    Ah… e o movimento (e blog) iniciado pela Ellen Lupton está intitulado “Free Font Manifesto”. Podem consultar aqui:
    http://www.designwritingresearch.org/free_fonts.html

  4. Não podia deixar de dizer que fiquei agradavelmente surpreendido com a presença do nome Pedro Amado na Print. Esta revista, para além de ser de preço bem mais acessível que as outras, é uma revista muito agradável que dá para ler! Mas dou os meus parabéns. É bom ver um nome português perto de uma referência incontornável como Ellen Lupton. Quanto a “fonte ou typeface”, que tal um pulinho ao meu blog (autopromoção ;))? Aproveito para dizer que apesar de o Pedro o ter mencionado como entreda para o blogroll… ele não está lá :(. Abraço e continuação de bom trabalho.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s