O que existe entre as letras?

Skecth TypeSpacing em ação

“Imaginem que o espaço que fica entre as letras armazena uma certa quantidade de água…”

Foi mais ou menos assim que, no ano passado, o Type Designer Rui Abreu descreveu a forma como encara o espaço que se deve deixar entre as diferentes formas interiores e exteriores das letras. Estes espaços devem armazenar sensivelmente a mesma quantidade “de água” para atingir um desenho equilibrado e regular. É uma metáfora bastante comum no desenvolvimento de Type Design, mas talvez seja uma das mais importantes durante o processo de desenho.

Hoje, durante a aula de Type Design no DeCA, como exemplo da aplicação da teoria da frente [0], mostrei o segmento do vídeo onde o Rui demonstra [matematicamente] esta abordagem [1]. Acompanhei a explicação com um slide onde demonstro a mesma ideia com pequenos círculos a simular “a água”.

No entanto, desde o ano passado que tenho a vontade de fazer uma pequena aplicação para melhor demonstrar este conceito. Semelhante à do Rui, mas que fizesse a transição do exemplo que mostro como demonstração da abordagem de Noordzij para os slides da sessão onde se exemplifica estes conceitos com letras reais. A ideia foi “ficando na gaveta”…

Entretanto, o Shiffman desenvolveu a biblioteca PBox2D… e a ideia começou a tomar forma! O resultado? Estive uma série de horas de volta do Processing durante a preparação dos slides da aula. Embora não tenha conseguido acabar o sketch para mostrar durante a sessão, decidi gastar mais um par de horas para o acabar ontem à noite (ou deverei dizer hoje de madrugada?)

Este é um primeiro estudo interativo da explicação. Ainda faltam algumas funcionalidades como a contagem de círculos, ou a manipulação do espaço de forma mais interativa. Mas acho que já dá para perceber as relações de espaçamento entre diferentes formas tipográficas…

Em última análise, foi uma oportunidade para finalmente experimentar a biblioteca PBox2D à qual Shiffman está a dedicar um capítulo do seu novo livro! É mais simples do que pensava ;)

Deixem-me um comentário se tiverem ideias ou sugestões (para acabar, ou completar a aplicação…)

Notas:

[0] A teoria da frente, ou da face (“front”) de Gerrit Noordzij.

[1] Aproximadamente dos 28′ aos 30′ do vídeo.