Hackathon Metrolab

jose-alejandro-cuffia-799485-unsplash.jpg
Photo by José Alejandro Cuffia on Unsplash

Normalmente não dedico muita atenção a este tipo de eventos — eu sei, eu sei,…  devia, mas não dá tempo para tudo —, mas este chegou-me via o designer Nuno Vargas e chamou-me logo à atenção.

A Metrolab / AMPorto está à procura de Designers e de Programadores para participarem numa hackathon que visa dinamizar ecossistemas inovadores em torno de desafios concretos nos municípios da Área Metropolitana do Porto. Continue reading “Hackathon Metrolab”

Advertisements

Links do dia: fonts, webfonts, variable fonts, color fonts!

IMG_20180104_232944_270
Julien Priez a editar um dos primeiros carateres de fontes variáveis no workshop do IPCA (janeiro 2018)

Todos os anos, quando o ano letivo se aproxima do fim, surge sempre a promessa: “vou voltar a publicar regularmente no blog!”. Mas nunca se concretiza… talvez seja desta? Desta feita, este ano não é exceção. Aqui ficam os links do dia desta semana: Fontes. Mais concretamente webfonts, variable fonts e color fonts hoje, no browser:

  • Color Fonts: https://color.typekit.com/. Este link é muito especial, pois parte dos demos deve-se em grande parte ao trabalho excelente do Sérgio Martins na Adobe. Vale a pena ver e explorar. Via link original do Tutsplus.
  • Variable Fonts (Axis Praxis): Há pouco tempo, a Joana Correia esteve na FBAUP para lecionar um workshop. Como sempre usamos o site demonstrador/referência do Axis Praxis. Para minha surpresa —bimbo!— descobri que o site dá para fazer o upload e teste de fontes próprias (daquelas que estávamos a desenvolver durante o workshop). O que é excelente, porque nem sempre é prático usar o InDesign ou o FontView para verificar os ficheiros.
  • Variable font specimen: Space Walk. Em janeiro, a convite da Prof.ª Catarina Silva e juntamente com o o type designer Julien Priez, organizámos e lecionámos um workshop introdutório ao desenho e implementação de tipos de letra em variable fonts. Um dos trabalhos de grupo (não desmerecendo os outros), para além de um tipo de letra robusto, resultou num espécimen interativo online espetacular!

 

Avaliar um mestrado ou doutoramento

gjcwj-n3h4e-sanwal-deen
Boston Public Library © Sanwal Deen

Já aqui partilhei, há uns tempos, o meu modelo de avaliação de artigos. Desta vez, fica aqui o meu modelo de avaliação de dissertações de mestrado (até hoje). E que espero que venha a evoluir e ser utilizado em breve como a base para o modelo de avaliação de doutoramentos.

Este documento foi desenvolvido para reflexão e orientação pessoal na avaliação de trabalhos, mas partilho-o aqui, hoje, especialmente porque me parece útil que um aluno de mestrado o veja e o use como uma checklist final da própria escrita.

Sem mais demoras, aqui fica o modelo do documento de arguições:

Continue reading “Avaliar um mestrado ou doutoramento”

Como desenvolver um enquadramento teórico

cphnknrwxps-nasa.jpg
The “big context” © Nasa

Nas últimas semanas não tenho tido grande descanso. Entre aulas, trabalhos, apresentações e reuniões, as revisões de documentos acumularam-se.

Alguns, trataram-se (e ainda se tratam—sempre atrasado!) de projetos de dissertação de alunos que estou a acompanhar no Mestrado de Comunicação Multimédia—nesta fase, estão a redigir os índices e enquadramento teórico para apresentar em Janeiro.

Outros de dissertações que me convidaram para arguir. Tanto de projetos práticos, como de estágios e dissertações/investigação em ambiente empresarial aqui no DeCA, na FEUP e na FBAUP. Parece que estes projetos práticos são cada vez mais comuns. E que a investigação e escrita de dissertações é cada vez menos popular—mas ainda assim tive o prazer de arguir um conjunto de provas espetaculares, que também me ensinaram muito! ;)

Por isso, tenho dedicado muito tempo à análise (e reflexão) sobre no que consiste uma boa estrutura de um documento desta natureza. Sobretudo o enquadramento teórico. Tanto em âmbito de investigação “clássica” como no âmbito de o desenvolvimento de um projeto (em estágio, ou contexto empresarial).

Fica aqui um esboço de um modelo de referência para a estrutura de um enquadramento teórico que considero potencialmente completo.

Continue reading “Como desenvolver um enquadramento teórico”

Toshi Omagari @ ESAD

ATypI2015-ToshiOmagari--Photo-by-LukeGarcia+AndreHawk.jpg
Toshi Omagari at ATypI 2015 in São Paulo. Photo by Luke Garcia & Andre Hawk (retrieved from the amazing Luc Devroye website)

 

Só um post muito rápido para anunciar a conferência do Toshi Omagari na ESAD, na próxima segunda-feira dia 21 às 14:00: http://esad.pt/pt/news/toshi-omagari

Convidado da professora e Type Designer Joana Correia, o Toshi irá abordar o que é ser um Type Designer atualmente.

Toshi Omagari was born in Fukuoka, Japan and graduated from Visual Communication Design at the Musashino Art University in Tokyo and MA Typeface Design at the University of Reading in UK in 2011.

From October 2011 to the end of that year, worked at the Monotype UK office as an intern typeface designer. Currently is based in London, working as a junior typeface designer at Monotype Imaging UK.

He spoke at the ATypI 2011 at Reykjavík about Mongolian script, and at TypoLondon 2011 about his internship experience [and at many other subsequent conferences…] . His typefaces include Tangerine from Google Fonts (one of the fourteen typefaces that were available at Google Fonts’ launch), and Marco, designed during the MA Typeface design course.

Espero que ele também aborde o processo de desenvolvimento da Noto. Depois de ver o último vídeo da Monotype, ficamos a querer mais e mais!

Creating Noto for Google from Monotype on Vimeo.

E vejam mais sobre este fascinante processo (e alguns dos sketches do Toshi aqui: https://www.creativereview.co.uk/google-noto-typeface-world/). E no site da AIGA: http://www.aiga.org/monotype-font-marathon

E não é só isto que o Toshi faz. Quer dizer, ele desenha letras. Mas, como se não bastasse trabalhar para a maior empresa global de Type Design, aparecer nas melhores conferências, nas melhores revistas, nos melhores sites e ser notícia da AIGA, dentro deste universo, ele faz coisas muito loucas. Alguém se lembra do #Font Marathon que eles fizeram no ano passado? Pois ele fez uma fonte que, até hoje, não tenho a certeza como trabalha: https://storify.com/Monotype/fontmarathon. Mas que é espetacular, disso tenho a certeza!

Ainda por cima, é uma pessoa e designer muito, mas mesmo muito simpático! (Este ano tive oportunidade de o conhecer pessoalmente em Varsóvia).

Acho que podia passar o resto da noite a ler e a ver o trabalho dele. Mas… Bom… O melhor é mesmo ir à conferência. Já tenho ido a algumas das conferências promovidas pela Joana na ESAD (e tenho perdido outras tantas…) Mas a esta tenho mesmo que ir. Por isso, se aparecerem, vemo-nos por lá, para aplaudir o Toshi e agradecer à Joana a organização!

Guia para rever artigos (para autores, revisores e editores)

4163b-large
Scriptoria. Image retrieved from: historyofinformation

Nas últimas semanas, à parte de umas férias merecidas (!), tive que rever uma série de artigos e arguir algumas provas. O “problema” é que a minha experiência nesta área ainda é muito curta… Por isso, neste artigo, partilho o meu esforço em coligir um conjunto de linhas orientadoras para a revisão de artigos (académicos) úteis para revisores, mas também para autores (como eu!…). Decidi escrever em português e inglês, pois as linhas orientadoras originais foram redigidas (como o faço normalmente) em inglês.

On the last weeks, I’ve reviewed a bunch of academic papers and thesis. The “problem” is that my experience in this area is rather shallow. Hence, in this post, I decided to share my personal effort to compile  a framework for the revision of academic papers. This are useful not only for editors/reviewers, but also very useful for the authors (as myself!…). I believe this is the first post I write in the Designlab in English. This was due to the fact that (even though I am not a native speaker) I’ve written them in English. I won’t translate the whole deal… just this intro and the framework. I guess you can Google Translate the rest…

Continue reading “Guia para rever artigos (para autores, revisores e editores)”

Mestrado em Comunicação Multimédia (UA)

IMG_2705.JPG
Estudo de protótipo de ferramenta de desenho digital (pormenor do meu doutoramento)

Acrescentei há alguns anos a formação em investigação e desenvolvimento de autoria Multimédia às minhas competências de base em Design de Comunicação. Um pouco como Siang refere neste artigo, através do Mestrado em Arte Multimédia que tirei na FBAUP.

Hoje, a escolha é difícil, mas (para resumir este artigo a uma frase) recomendo vivamente o (nosso) Mestrado em Comunicação Multimédia (MCMM) do Departamento de Comunicação e Arte.

Continue reading “Mestrado em Comunicação Multimédia (UA)”